Eleições no Vasco mantidas para agosto

A batalha de ações na Justiça continua a poucos dias das eleições do Vasco. Em decisão desta tarde, o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro manteve as eleições vascaínas para o dia 6 de agosto. O grupo de Edmundo, da chapa Sempre Vasco, teve o pedido de adiamento negado nos tribunais. A juíza Ana Lucia Viera de Castro reconheceu a carga de complexidade do pleito, mas disse que levar as eleições para novembro significaria deixar o clube sem representação, o que acarretaria extensão de mandato e, consequentemente, no entendimento do poder judiciário, novas ações.

Os advogados do grupo que lançou o candidato Julio Brant à presidência pedem a adequação das eleições ao que prevê o estatuto do clube – que tem convocação das eleições em agosto, realização do pleito em novembro e posse da nova diretoria em janeiro do ano seguinte. A juíza lembra ações anteriores em outros pleitos do Vasco, negou os pedidos dos autores da ação, mantendo assim as eleições para o dia 6 de agosto. De acordo com o texto da juíza emitido nesta quinta-feira, o processo eleitoral “deve ser compatibilizado com a decisão judicial” que serviu para as eleições anteriores. Em 2008 e em 2011 as eleições foram no mesmo período do ano.

– E veja-se, tal adaptação não está sendo feita para as eleições deste ano. Foram feitas já nas eleições de 2011, com o que, ao que parece, os autores não se insurgiram. Acrescente-se que se as eleições fossem realizadas em novembro, como prevê o Estatuto, o Clube ficaria sem representação, ou ainda, a atual administração teria mandato superior ao previsto no Estatuto, o que em qualquer dos casos, geraria também, outras ações judiciais –  diz um trecho da decisão.

Edmundo e Julio Brant

O grupo de Edmundo ainda deve recorrer da decisão. Em outra ação, a chapa de Nelson Rocha, a Vira Vasco, também tenta inviabilizar o direito a voto dos sócios que entraram no clube em abril do ano passado. Até agora, no entanto, também não conseguiu respaldo nem em julgamento interno do clube nem em ações na Justiça.(Globo Esporte)

Postar um comentário

0 Comentários